Trabalhadores terceirizados pressionam por melhorias na campanha salarial

documentos
Typography
Os trabalhadores das empresas terceirizadas realizaram uma vigília de duas horas na manhã do dia 22 de janeiro, data em que foi realizada a segunda rodada de negociação com o Sindprel (Sindicato Patronal). Durante a reunião, dezenas de trabalhadores permaneceram mobilizados e à espera dos resultados da reunião. O movimento surpreendeu as empresas, que tentaram interromper a vigília e até impedir a manifestação dos trabalhadores, sem sucesso.
 
Numa clara demonstração de intransigência, as empresas terceirizadas da Coelce se recusaram a negociar durante a vigília. Um novo encontro foi agendado para a última segunda-feira, dia 25, quando as empresas apresentaram a proposta de reajuste salarial que considera apenas 4,11% para todos os pisos. A única exceção é o piso inicial, que terá o mesmo valor do Salário Mínimo - com isso, o piso salarial mínimo da categoria ficaria em R$ 510,00. Para o segundo ano do acordo (2011), não foi apresentada uma proposta de reajuste salarial.

Para todas as demais cláusulas (inclusive as que tratam da Assistência Médica e Vale Alimentação), as empresas não apresentaram propostas de melhoria para este ano, o que não só desrespeita, mas também frustra as expectativas de toda a categoria, que espera recuperar as perdas dos últimos anos frente ao salário mínimo. No caso do Vale-Alimentação, não houve proposta de reajuste para o primeiro ano, e a proposta das empresas é que os trabalhadores continuem a receber os vales no valor de R$ 6,80. No segundo ano (2011), o valor proposto foi de R$ 7,00, o que representa um reajuste insignificante frente à reivindicação dos trabalhadores, que é obter um tíquete no valor de R$ 12,00 já este ano. Para o segundo ano, nossa proposta é de um tíquete de R$ 15,00.

A próxima reunião está agendada para o dia 1º de fevereiro, a partir das 14h30. Para este próximo encontro, as empresas solicitaram uma contra-proposta do Sindeletro, mas Sindicato já afirmou que, diante de um reajuste tão tímido como o colocado, será impossível pensarmos em uma alternativa imediata, já que nenhum avanço foi obtido nas negociações. Mesmo assim, o Sindeletro irá discutir a proposta na base, com a categoria. Os trabalhadores devem permanecer atentos ao processo de construção da nossa CCT, e estar conscientes de que nós estamos apenas exigindo das empresas que reconheçam a nossa importância dentro da categoria dos eletricitários.

Ver documento adjunto en PDF